Quatro coisas que eu amo sobre Iyengar Yoga

Hoje em dia, a quantidade de estilos de yoga é bem generosa. Muitos de nós, praticantes de Iyengar Yoga, nem conhecemos outros estilos e ao mesmo tempo, muitos praticantes de outros estilos não conhecem o Iyengar Yoga. Segue um texto da Erica Rodefer Winters, editora do Yoga Journal, sobre a experiência dela com Iyengar Yoga. O texto original pode ser encontrado aqui.

4 coisas que eu amo sobre Iyengar Yoga

É verdade. Eu inicialmente não acompanhava o Iyengar Yoga. Minhas primeiras experiências com essa prática até me irritavam. Lembro-me de passar o que pareciam horas tentando encontrar o perfeito alinhamento na postura do triangulo (Utthita Trikonasana) pensando: ‘ó meu Deus! Se não terminarmos com isso em breve, vou explodir!’. Felizmente para meus colegas, eu não explodi. Felizmente para mim, eu continuei indo para a aula de Iyengar Yoga mesmo que não fossem os 90 minutos mais agradáveis da minha semana. Eu percebi que há toneladas de incrível poder transformador no Iyengar Yoga – especialmente se você persistir na prática. Mesmo eu sendo uma pessoa do tipo Vinyasa Yoga, sou extremamente grata aos meus professores de Iyengar (e aqueles professores que não são Iyengar, mas são fortemente influenciados por ele), que têm suportado minhas reviradas de olhos e altos suspiros e mesmo assim me ensinaram tanto. Quatro coisas que amo sobre Iyengar Yoga No caso de você estar indeciso sobre Iyengar ou ter decidido a não voltar para uma aula depois que você percebeu que seu professor leva 15 minutos para prepará-lo para uma postura! 🙂 Segue abaixo algumas das coisas que eu amo sobre Iyengar Yoga.
  1. É adaptável.
    Devido ao uso intenso de suportes (e os olhos altamente treinados dos professores), o Iyengar Yoga é provavelmente a prática de yoga de mais fácil adaptação para pessoas de todas as formas, tamanhos, idades e habilidades.
  2. Posturas alinhadas são posturas seguras.
    Acredito sinceramente que é fundamental aprender a praticar as posturas em alinhamento PRIMEIRO – e não quero dizer entender os princípios de alinhamento em sua mente, mas que seus músculos e ossos compreendem-los também. Só depois é realmente seguro acrescentar muita movimentação ou criatividade para sua prática de asanas. A importância do alinhamento não pode ser subestimada.
  3. Mude seus hábitos.
    A ideia de Samskara, ou padrões, é uma das filosofias de yoga que desde sempre ressoou bastante comigo. Todos nós naturalmente caímos em todos os tipos de padrões – padrões da mente, padrões em nossos relacionamentos, padrões na maneira como usamos nossos músculos. E as tediosas instruções detalhadas de um professor de Iyengar é a maneira mais maravilhosa de trazer a consciência para os padrões do corpo, de modo que você pode então começar a corrigir quaisquer hábitos pouco saudáveis como segurar a tensão nos ombros ou cutucar as costelas para fora quando você estende os braços na postura do cachorro olhando para baixo (Adhomuka Svanasana). Este é um trabalho profundo e transformador que você não consegue a oportunidade de explorar na maioria das aulas de vinyasa.
  4. Olhe mais profundo.
    Prestar muita atenção aos hábitos do meu corpo quase sempre me ajudam a ver outros padrões em minha vida que não estão me ajudando. Ainda mais útil é a percepção de que, se eu posso mudar a maneira como tenciono meus ombros quando fico ansiosa, eu provavelmente posso mudar a maneira como reajo ao meu parceiro quando ele se esquece de trocar o papel toalha quando usa o último do rolo. Pode levar o olhar atento de um experiente professor, amigo, ou psicólogo (estou falando sério!), mas você tem o poder de mudar tudo em sua vida.
  5. Disciplina ensina-lhe que você é capaz de fazer mais do que você jamais imaginou.
    Nunca pensei em mim como uma yogi super séria – eu amo contar piadas, rir e me divertir no meu mat de yoga. Na verdade, uma das coisas que me atraiu inicialmente à prática foi a abordagem muito descontraída que o meu primeiro professor de yoga tinha. Estudantes de Iyengar não são conhecidos por sua abordagem descontraída. Na verdade, eu me lembro uma vez quando um professor de Iyengar recusou-se a ensinar os alunos na minha formação de professores que estavam tendo um lanche antes da aula, porque ele disse que ele não poderia ensinar torções com segurança ou eficiência para alunos com as barrigas cheias. Na época, eu pensei que era a coisa mais ridícula que eu já tinha ouvido, mas hoje aprecio o quão sério ele levou a prática e o seu trabalho como um professor de yoga. (Há um tempo para se divertir em sua esteira, e há também um tempo para agachar e realmente se concentrar.) Eu tenho que admitir, não era a minha aula de yoga favorita naquela época… mas depois de insistir por alguns meses, não só tenho uma compreensão muito mais completa do yoga, mas também vi que eu realmente tenho a capacidade para a compreensão profunda.