Proeminência de Asana e Pranayama em Iyengar Yoga

Comparando Iyengar Yoga com Astanga Yoga pode ser percebido imediatamente o papel central de asanas e pranayamas no primeiro. O fato é admitidoabertamente “o sistema de Guruji é uma interpretação única do Yoga de Patanjali” está escrito no guia de do Instituto de RIMY . “tanto na teoria quanto na prática…a ênfase em asanas e pranayamas é dada e uma extensa instrução é dada nos dois casos”. Como existem poucas , embora importantes referencias de asanas e pranayamas nos oito estágios de Patanjali as questões subseqüentes surgem: 1-Qual a relação do Yoga tradicional e dos ensinamentos de asanas e pranayamas de iyengar? 2-Como ele substancia a ênfase nas duas práticas? 3-Qual o papel dos demais seis estágios e como Iyengar refere-se a essa interrelação desses vários estágios entre eles? O quão tradicional eh a pratica de asanas e pranayamas no Iyengar? A renovacao nos asanas. No que se refere a asanas  e pranayamas Iyengar coloca-se acima de todos na tradição de seus professores. “Voce deveria saber que muitos estão sob a impressão de que meu método não tem nada ligado a forma tradicional. Isso eh imaginação e não um fato, pois meu Guru teve um Guru que teve um Guru..eu considero meu Guru e o Guru de meu Guru como os pais da yoga , aqueles que lançaram a semente de analisar e desenvolver aspectos práticos dessa arte. A semente da yoga pode ser a mesma , mas as arvores crescem em direções diferentes e dão frutos com sabores diferentes.” Entre tudo o que escrito sobre Iyengar ateh agora somente algumas dicas são dadas sobre o que exatamente foi passado a ele por seu guru. Iyengar menciona que em 1934 seu tio Shri T. Krishnamachar, um grande professor de sânscrito e diretor de escola em Mysore ofereceu umas aulas de asanas a ele para que a sua saúde ficasse melhor. Shri T. Krishnamachar aprendeu yoga de Ramamohan Brahmachari um yogue que viveu no Tibet perto do lago de Manasarovar. Eu não pude encontrar mais nada de informações sobre a formação religiosa, yoguica desse homen. H sabido que Brahmachari era ums professor extremamente rígido e autoritário que ensinava não somente asanas e pranayamas , mas também enfatizava o estudo de Patanjali, uma combinação que mais tarde foi de grande importância a abordagem de Iyengar. Krishnamachar ensinou Iyenagr por vários dias e depois o dispensou dizendo que ele deveria então digerir o que havia sido passado. Somente depois disso mais informações pdoeriam ser passadas.Mas em função da dureza do corpo de Iyengar Krishnamachar perdeu o interesse em seguir com a slicoes. Porisso, somente um ano depois quando Krishnamachar precisou de alguém para substituir outro aluno numa apresentação publica Iyangar recebeu mais treinamentos.Novamente ele recebeu algumas lições por poucos dias e foi pedido que se preparasse para a apresentação.” Eu me preparei com dores e tremores em todo o corpo e lagrimas nos olhos. Ele nunca me pediu que eu ensaiasse para ele ver apenas para estar pronto. Sendo fraco eu estava com medo de aparecer em publico, mas as suas palavras eram ordens. Acredie se quiser eu fiz o que me foi pedido e ganhei cincoenta rupias das mãos do Maharaja pela minha apresentação.” Fora esses dois curtos períodos de treinamento Iyengar nunca mencionou nenhuma instrução sobre coisas que seu guru tenha passado e nada de filosofia, meditação ou ensino religioso, apenas asanas. Aparentemente Krishnamachar sendo imprevisível, duro e excessivamente rígido atingiu Iyengar com o medo.Ele o intimidou por um lado e por outro acordou nele na habilidade de praticar com firmeza e intensidade. Depois de pouco tempo Iyengar conseguiu a habilidade de praticar por conta própria. Um professor nato e ensinar os demais tornou-se uma fonte ilimitada de iluminação.”Essa penetração interna , essa forma de olhar para os corpos desenvolve a presenca e atencao.Essa atenção firme fez com que eu também olhasse para os asanas dessa forma enquanto eu mesmo praticava.Eu desenvolvi então essa atenção aguda e penetrei no mistério quee h o corpo humano”. Quando perguntado sobre como ele assessa seus ensinamentos em relacao ao guru dele ele diz que nos últimos 30 anos ele vem mudando a forma de ensinar os asanas que são certamente uma aprimoramento do que seu guru havia ensinado.Muitos asanas ele desenvolveu depois e o método de usar os props também eh autoral. Quando Geeta Iyengar , que também conheceu os ensinamentos de Krishnamachar e perguntada sobre as diferenças ela avisa que vê uma enorme diferença na forma como seu pai estruturou o conhecimento.Segunda Geeta, seu pai eh quem introduziu uma sequencia apropriada as asanas de acordo com a estrutura anatômica, fisiológica e os efeitos psicológicos. Um ultimo ponto que deve ser mencionado eh o alinhamento adotado como principio básico que não era visto e eh um diferencial na pratica de Iyengar.Ele diz:”Iniciei a olhar as fotos de outras pessoas e desenhar essas linhas, peito a peito, mao com mao, cotovelo com cotovelo. As posturas estavam lah , mas sem alinhamento”. Mais tarde eu mostrei que esse alinhamento eh necessário para o estado de Dhyana em asanas. No que se refere a asanas pode-se dizer que Iyengar iniciou nas formas tradicionais de hatha yoga e trabalhou quase que completamente por conta própria. Ele foi muito bem sucedido em fazer uma revolução no que diz respeito a forma de se fazer um asana e em como ensinar.Seu método deixa para trás o que chamam de asana ateh então. A renovação em Pranayama Nos Pranayamas Iyengar necessitou ainda mais apostar na sua intuição haja vista seu guru categoricamente não o ter ensinado pranayamas por seu estado de fragilidade física na época.”Quando meu guru me visitou em Puna em 1940” ele falou, “eu perguntei a ele sobre Pranayama; ele me deu um conceito geral. Voce sabe o que chamamos de respiração profunda..Entao ele falou para eu fazer inalações profundas, reter o ar e fazer exalações profundas. Essas foram as únicas técnicas que meu guru me passou para eu seguir…Embora eu tenha seguido, não obtive nenhum êxito…Entao eu perguntei a ele…Ele disse:”Continue que virah” e nunca veio.” Iyengar diz que pode observar uma vez somente escondido Krishnamachar em alguns minutos de Nadi Sodana Pranayama. Com isso ele aprendeu a posição da espinha ereta, que para ele era muito difícil pois havia forcada demais as retroflexões. Como o guru recusou ensina-lo ; ele buscou alguns livros de Yoga. A recomendação de retenção longa resultou apenas na sensação de que a sua cabeca era feita de tijolo de madeira e nada com a descrição de despertar de Kundalini Shakti. Suas lições sem inspiração de Pranayamas seguiram assim por mais 20 anos ateh 1960. Ele estava em Gstaad na Suica, o tmepo estava excepcional..Enquanto ele fazia a pratica diária em um dia ele sentiu a delicia de sentir o gosto da fragancia do ar entrando. Tmepo não estava bem frio nem quente , mas perfeito e desfrutável.Aquela sensação que senti me deu a dica de usar meu polegar e dedo digital para criar a mesma sensação que havia provado. Depois desse evento passei a praticar Pranayama todos os dias com grande interesse. Eh típico da forma autodidata e não dogmática de acessar pranayama de Iyengar que ele usou os dedos segundo o violinista Yehudi Menuhim e não como seu guru usava. Assim como nos asanas, o desafio de ensinar o motivou a seguir os seus experimentos e métodos inovadores de Pranayamas. Em conexão com o que se fala sobre Iyengar e o Yoga tradicional vê-se que a sua abordagem voltava as origens do próprio pranayama.Iyengar recusa-se por exemplo a usar os métodos de contagem de respirações mecanicamente; ele acredita que o aluno deve se concentrar tão somente em conquistar respirações cada vez mais profundas, dar-se conta cada vez mais do fluxo das mesmas e poder cada vez mais observar esse fluxo. Os métodos de livros que Iyengar usou não o levaram a um local de sucesso, as contagens etc.Foi nesse espaço que uma forma mais simples, sofisticada e gentil de repspirar aconteceu e foi criada. Esse novo eh método eh muito mais próximo dos textos originais doas Upanishades, Gitta, e Patanjali que os demais que vieram depois com os textos de hatha yoga e dos yoga sutras. Talvez possamos resumir que a relação das asanas e pranayamas de Iyengar foi de fato uma semente que seu guru plantou. O que ele recebeu de tradição não foi anda mais do que uma parte pequeníssima latente de sabedoria.A analise detalhada de asanas e pranayamas deve-se seguramente a genialidade de Iyengar. Agora voltemos a segunda questão mencionada acima: Como ele substancia o deataque e a proeminência de asanas e pranyamas? Nas publicações de Iyengar vários argumentos são trazidos a tona com base nesse destaque que irei resumir em três questões. Asanas e Pranayamas são um pré-requisito aos degraus mais altos do Yoga. O conteúdo de que exercícios físicos são somente efetuados para a pratica meditativa tem bastante divulgação nos meios da Yoga. Essas referencias também ocorrem na famillia de Iyengar. Por exemplo, no guia do Instituto voce le;”Guriji acredita que as formas mais altas de yoga – dharana, dhyana e samadhy- podem ser ensinadas por aqueles que obtiveram sucesso nas praticas de asanas e pranayama. Qualquer tentativa de passar esses passos fundamentais, que dão vitalidade ao corpo para as praticas maiores, resultarah em danos ao corpo e a mente.” Patanjali não insiste numa sequencia especial de oito degraus na Yoga, com a excecao de que Pranayamas devem ser praticados somente depois de asanas (que os sutras definem como uma postura ereta correta) serem conquistados. Mesmo assim muitos dos antigos e atuais comentaristas assumem que a ordem deve ser seguida.”Tornando-se estável em cada passo e depois dando sequencia ao próximo “ pode-se ler no comentário de Sankara. Iyengar refere a sua própria experiência para suportar essa tese.No capitulo introdutório “Light on Yoga” ele descreve os remédios que Patanjali recomenda para transpassarmos os obstáculos da mente e as distrações das mesmas que escondem do estudante a possibildade de chegar a feliciadade autentica. Eles são Maitri (amor), Karuna (compaixão ativa), Mudita (apreciar o bom alegria) e Upesksa (usualmente traduzida por equinimidade e traduzida por Iyengar por entender as fraqeuzas dos outros e de si mesmos). Iyengar conclue a revisao desses quarto como segue:”O significado amis profundo desses quatro remédios não pode ser atingido com uma mente irrequieta. Minha experiência me levou a concluir que qualquer homem ou mulher em qualquer cultura desse mundo para atingir uma mente tranqüila deve conquistar asanas e pranayamas. Segundo o conceito de que cada degrau nesse trabalho eh seguido pelo próximo Iyengar consequentemente trata de Yamas e Niyamas em “Light on yoga” como uma base necessária para asanas e pranayamas: “Sem uma fundação firme uma casa não pode se sustentar. Sem a pratica dos princípios de yamas e niyamas , que são a estrutura de formação de caráter, não se pode ter uma personalidade integrada.A pratica de asanas sem observar yamas e niyamas eh uma pratica de acrobacias”. No seu livro, Geeta Iyengar também discorre sobre o mesmo assunto quando ela le o Astanga Marga como sendo a nossa rota de metas onde chegar numa pureza externa eh seguida de uma chegada em pureza interna que culmina em uma meta espiritual de tocar a alma. Entao eh obvio que Iyengar sabe e algumas vezes também discursa sobre o padrão comum dos oito passos como uma escada para a realização. Mais tarde ficarah claro que essa não eh a ultima e inovadora visão que BKS Iyengar desenvolveu. Quando assessamos asanas e pranayamas como os estágios preliminares aos estágios mais altos da yoga permanece sme resposta o porque de Iyengar não ensinar esses estágios também. Embora dhyana seja mencionado bastante em seu livro (e também no livro de Geeta S. Iyengar “Yoga a Gem for Woman”) eh muito pouco explicado em relação aos outros exercícios. Os ensinamentos que são dados no RIMYI Instituto em Puna coincidem com as conexões de suas publicações. Vejamos se os argumentos de Iyengar são compatíveis e convincentes. Samyama não pode ser explicado nem ensinado No seu discurso de 70 anos Iyengar comentou os três últimos degraus da yoga chamados de Samyama (integração perfeita) como segue:”Esses tres degraus são de experiências de yoga e não podem ser apresentados nem explicados. Asanas e Pranayamas podem ser explicados, ensinados, demosntrados e corrigidos, enquanto Yamas e Niyamas são explicados através de historias de grandes homens que construíram seus caraters.” Iyengar aqui entende Samyama como o fruto da pratica que chega a determinado nível de perfeição. Eh para ser experienciado diretamente somente e não pode ser demonstrado por outros. Entao a razão de Iyengar não ensinar isso em seu Instituto eh que são experiências que não podem ser ensinadas. Mas essa razão não eh tão plausível assim, desde que não somente as escolas de Yoga, mas as de Zen , Sufismo, etc dão instruções de meditações. Mais do que isso , nessas escolas os professores através de suas intuições e trocas verbais os professores conseguem distinguir certo do errado e corrigir seus estudantes. O argumento segura uma verdade somente se pressupomos que Samyama eh um estado mental tão somente e não uma pratica para se chegar em um estado. Le eh falho ao provar sobre a impossibildade de ensino dentro Samyama, mas eh verdadeiro no sentido de que não se pode fabricar uma integração de mente seguindo somente algumas instruções operacionais. E isso leva a nossa terceira argumentação: Samyama como Graca Divina Alguns visitantes da India sedentos de uma iluminação rápida muitas vezes acabam desqualificando as bases de asanas e pranayamas. Aqueles que buscam experiências místicas ou estados alterados de consciência sempre acabam praticando somente as técnicas meditativas. Iyengar considera isso perigoso e um sacrilégio da yoga.”Mesmo um homem como Arjuna teve que implorar a Lorde Krisna”, ele fala, “para abencoar com os olhos ele, para que ele veja a ininita divindade e sua luz, um instante seria o suficiente para buscadores como nos. Para saber isso precisamos construir um vigor e forca para sustentar a graca quando ela vier a acontecer”.Desde esse ponto de vista asanas e pranayamas são a base e a preparacao humilde para recebermos a graca de Deus, a graca de que ele nos coloque a sua visão em nossos olhos e assim sendo poderemos ver a luz. A não ser que realizemos a dimensão de que asanas e pranayamas assim como as orações são a nossa manifestação de desejo de estarmos mais perto de Deus não poderemos tocar com intensidade a profundidade de Iyengar Yoga. Entretanto, nem a graça de meditação profunda que vem como um presente dos deuses nem a atitude faminta de quem busca a espiritualidade com avidez pode conceder algo sem a pratica regular de dhyana. Resumindo, os argumentos expostos são podem alcançar as demandas das perguntas que proferem e indagam a instancia da proeminência de asanas e pranayamas em Iyengar Yoga. A pratica de asanas pessoal de Iyengar ao longod e todos esses anos que eh central na vida dele eh a raiz de tudo. Mas isso significa que ele passarah toda a sua vida e preparação para a Yoga mais alta? Para verificar o porque de acordo com Iyengar , ele mesmo, isso não eh o caso teremos que entrar no coracao do que ele interpreta como os oito degraus da yoga. A nova interpretação de Iyengar: Todo o Yoga se atinge em apenas um degrau Uma visão nova aparece nos ensinamentos de Iyengar escrito por Noelle Perez-Chritiaens. Num anotação antiga datada de 1959 Iyengar fala:”em cada asana , em cada ação, voce deve encontar a integridade descrita por Patanjali em seus sutras.”Entao ele se lança a redescobrir os oito passos dentro dos asanas. A mesma idéia básica se encontra nas instruções de Iyengar coletadas por Donna Holleman entre 1970 e 1974 onde le-se:”Patanjali não falou em oito passos; tudo isso colocado junto eh o Yoga. Infelizmente as pessoas que nunca praticaram dizem:”isso eh físico”. Yama e Niyama: quando voce estah fazendo a postura, a etica do peh direito e do esquerdo, estão alinhados? Ou não? Se voce larga-los sem ação eh uma mentira. Se as palmas das mãos não estão unidas(Parsvottanasana), isso eh Himsa: voce estah mostrando violência naquela palma que não estah trabalhando em nada. Se a sua inteligência não tocou aquela parte, a verdade não eh sabida.Entao aprendam que essas posturas foram dadas para que voce verifique se voce tem os oito passos incluídos nelas ou não.” Nos textos mencionados, Iyengar fala sua linguagem própria tiradas de uma situação de pratica regular. Não eh alienada escolasticamente como parece haja vista seus outros comentários teóricos sobre o Yoga sutras. Do ponto de vista do praticante ele chama a questão da premissa dos oito passos do yoga serem uma sequencia. Ele sugere que isso seja colocado junto e sejam visto em unidade.Esses oito passos são indivisíveis e potencialmente o yoga inteiro estah presente como caminho de uma forma única e presente. Atraves desse pensamento ligamo-nos a idéia de que uma pessoa pode inteirar-se de um desses degarus e adquirir a ciencoia dos demais nesse processo. Eh essa a interpretação de Iyengar única ateh então. O que ficou escondido anteriormente nos comentários estah detalhado no livro “A Arvore do Yoga” publicado em 1989 (paginas 41 a 81).Ali elefala:”Mahatma Ghandi não praticou todos os aspectos do yoga , ele seguiu dois princípios- não-violencia e a verdade- e esses dois aspectos do yoga o levaram a mestria pessoal e a independência da India. Se uma parte de Yama o levou tão longe porque um outro degrau como Asanas por exemplo não pode levar voce a um desenvolvimento espiritual? Formulado com referencia a Patanjala Yoga, Iyengar sugere que as varias áreas mencionadas no terceiro capitutlo dos sutras são campo de aplicação de Samyama e uma pratica refianda de asanas e pranayamas inclui o desenvolvimento dos demais degraus de evolução. Como isso acontece virah num próximo trabalho explorando com mais apuro os últimos três degraus de Astanga Marga. Documento do Instituto de Iyengar Yoga , Know Your Institute, Puna, 1985