Princípios gerais para todos os asanas – parte [2]

Segunda parte do texto da Geeta Iyengar sobre princípios a serem seguidos na prática de asanas: É algo supérfluo tentar recomendar certas quantidades de tempo para ficar em cada postura. A quantidade de tempo que você deve gastar em um asana irá variar com base na sua experiência, nível de prática, nível de energia em um determinado dia, dificuldade do asana e constituição pessoal. Enquanto 30 segundos em AdhoMukhaSvanasana pode ser tudo que uma pessoa pode fazer, outra vai achar 5 minutos adequado à sua disposição em um determinado dia. Enquanto você deveria almejar aumentar a quantidade de tempo que você passa em cada asana, tentar recomendar um número de segundos ou minutos que funcione para todos é impossível. Mantenha-se em cada postura enquanto a mesma estiver integrada, consistente, talvez sublime, e depois passe para uma outra postura quando perceber que se perdeu esta qualidade. Ou seja, fique em uma postura até que você perca a tranquilidade ou pazna postura. Isso não significa que você vá desistir cedo porque um asana é difícil e desconfortável para você, só que você não precisa levar desnecessariamente muito tempo em uma postura em que você perdeu a atenção corporal ou que já não é capaz de estender sua inteligência para cada parte do corpo uniformemente e de forma clara. A importância das posturas em pé é muitas vezes negligenciada. As posturas em pés desenvolvem força e flexibilidade para as pernas e o quadril, aumentando a mobilidade pélvica. As posturas em pé não são um ritual para iniciantes, mas sim o melhor e mais seguro método para aumentar a flexibilidade da perna (especialmente dos tendões) exigida nas flexões para frente sentadas e algumas outras posturas. Se os seus tendões estão bem fortes, sua tração impede que a pélvis mova-se para frente em direção a suas coxas, o que impedirá você de realizar livremente as flexões para a frente. Tentar fazer Padmasana com quadris pouco flexíveis, que não girem bastante externamente é pedir uma lesão no joelho. Você não deve tentar Padmasana até que você tenha flexibilidade do quadril suficiente para que, por exemplo, seus joelhos cheguem perto do chão em Sukhasana e Baddhakonasana. Esta flexibilidade dos tendões e do quadril é cultivada principalmente pela prática dos asanas de pé (embora existam também outros asanas úteis para isso). Saltar separando seus pés e depois uni-los da mesma forma é o método clássico para entrar e sair das posturas em pé. Se você optar por fazê-lo, você deve fazê-lo com tranquilidade e equilíbrio. Pular permite que a entrada e a saída da postura sejam mais simétricas, é preciso experimentar para ser compreender. Quando você está pulando de pernas afastadas, faça com que a ação ocorra a partir da parte posterior de seu tronco, braços e pernas, e não do lado da frente. Estenda sua coluna em todas as posturas. Não comprima a frente do seu corpo, especialmente nas flexões para a frente. Isso inibe a respiração profunda. Ao alongar a frente do seu tronco, alongue também a parte de trás do seu pescoço. Não encurte a parte de trás do seu pescoço em nenhum asana, mesmo ao fazer movimentos para trás mais profundos. Em qualquer asana, qualquer que seja parte do corpo que está no chão, pressione-o contra o chão. Isso inclui, por exemplo, as canelas em Ustrasana e suas mãos e pés em AdhoMukhaSvanasana. Sua respiração deve ser natural na maioria dos asanas (embora alguns asanas como Karnapidasana irão inevitavelmente causar alguma restrição na respiração). Há sempre uma tendência para segurar a respiração ao tentar entrar em uma posição desafiadora. Lembre-se de respirar em cada asana. A inalação é a hora de alongar a coluna, expiração é a hora de fazer mais progressos na postura. Em geral, ao sair de um asana, você deve inalar na saída. Mantenha seu sistema digestivo tão vazio quanto possível antes de uma sessão de asana. É realmente impossível especificar o determinado número de horas que é necessário esperar depois de comer antes de praticar, uma vez que irá variar muito de acordo com o tamanho da refeição e sua própria velocidade metabólica. Classicamente começamos cada asana no lado direito. Faça o seu lado “ruim” ou menos flexível de uma postura por mais tempo do que o seu lado bom para equilibrar seu corpo. Ao passo que sua inteligência somática aumenta, você quase sempre sente que um lado de seu corpo é melhor em um determinado asana do que o outro lado. Procure equalizar seus dois lados. Como o Sr. Iyengar disse, quando um dos lados do corpo está fazendo melhor do que o outro lado, o primeiro lado tem de se tornar o “guru” do outro lado. Se alguma parte do corpo está dolorida do treino de ontem, é bom trabalhar nessa área com a mesma postura novamente hoje, pegando leve. Você vai ter de suportar um pouco de desconforto para aprender yoga, mas nada pode ser aprendido com total conforto.No entanto, o objeto da prática de yoga não é causar dor, mas sim aliviá-la e o mais importante: preveni-la. Incorporar bons hábitos posturais em sua rotina diária facilitará sua prática de yoga e vice-versa. Quando sentado em uma cadeira, sempre que possível dobre as pernas para cima e sente em Sukhasana ouAdhaPadmasana. Sentado de pernas cruzadas em uma cadeira, ou de pernas cruzadas no chão, tanto quanto possível ajudará a manter os flexores do quadrilflexíveis para ajudar na abertura do quadril. Verifique se está sentado sobre a parte da frente ossos da bacia, e não os lados traseiros ou ainda pior, em seus músculos glúteos. Sentar apoiado no cóccix faz com que sua pélvis seja muito forçada para baixo, a sua lombar arredonde para trás e seu peito fique muito abaixado e solto. Alongue a frente do seu tronco quando sentado. Levante seu esterno em direção ao teto. Se os seus pés estão no chão, sente na parte da frente da cadeira, mantendo a curva lombar côncava normal (lordose). Permita que os seus ombros caiam naturalmente para baixoafastando-se de suas orelhas. É ok usar a parte de trás da cadeira de apoio se for usada corretamente, apoiando os ísquios na parte de trás da cadeira e mantendo a lombar em um arco, e arredondada para trás. Muitas cadeiras nos forçam a sentar apoiando as coxas, ou ainda pior, com os joelhos mais altos do que a linha do quadril. Para a maioria das pessoas, isso faz com que a pelve se incline para trás e a parte inferior das costas perca a sua concavidade natural. Sente-se em uma toalha ou um travesseiro para elevar sua pélvis se isso acontece com você. Um profundo sentimento de humildade o ajudará a aprender yoga. É importante lembrar que nenhum caminho ou escola tem o monopólio da verdade. Existem profissionais excelentes e pobres em todas as escolas de yoga. Ganhar maturidade na prática de yoga envolve aprender a respeitar os caminhos em que as outras pessoas estão e reconhecer seus méritos, talvez até mesmo reconhecendo que o seu próprio caminho esteja desprovido em alguma área onde outro se destaca. Princípios Gerais dos Asanas - 2

Em algum momento, você se torna o seu próprio professor, o seu próprio estudante.

Artigos relacionados: