Minha história de Iyengar Yoga e Esclerose Múltipla

A estudante Maida Vale, Yvette Rooke, divide a sua experiência de utilização da prática de Iyengar yoga para gerir o impacto físico e emocional da esclerose múltipla.

O diagnóstico

Eu tenho esclerose múltipla remitente. O dia em que fui diagnosticada eu cambaleei para fora do consultório e disse aos que estavam comigo em fúria: “Eu gostaria que fosse um tumor cerebral! Pelo menos com um tumor no cérebro pode fazer a cirurgia ou você morre – nada de ‘ser lentamente devorado’ “. Uma dessas coisas estúpidas e mal informados que você diz em crise.

Perguntei ao meu neurologista o que eu poderia fazer com dieta e exercício para me ajudar. Como meus sintomas eram leves, não me tinha sido oferecida qualquer medicação e eu queria saber o que mais eu poderia tentar. Ele deu de ombros e disse: “Você pode fazer essas coisas se quiser, mas é improvável que ajude. Apenas viva a sua vida.” Meus sintomas eram leves, mas o diagnóstico foi como uma bomba explodindo em minha vida. E me estava sendo dito que não havia nada que eu pudesse fazer para me ajudar.

Até então, eu tinha tido uma vida objetivamente bem sucedida. Eu era uma acadêmica de alta performance e segui uma carreira em advocacia que eu não amava, mas na qual me tornei proficiente e fui promovida a sócia. Eu não tinha experiência em ser impotente. Eu era a executora e costumava resolver problemas para outras pessoas. Eu era muito boa nisso.

Então veio a Esclerose Múltipla.

Encontrando um caminho

Por um longo tempo eu adotei uma abordagem “vida normal” e ignorei minha esclerose múltipla. Eu não conseguia nem mesmo a dizer as palavras. Não contei a ninguém no meu novo trabalho como eu suspeitava que a doença pudesse causar preocupações sobre o meu desempenho. E eu estava certa sobre isso. Por dentro, eu fiquei muito deprimida. Foi a minha querida tia, uma professora de Iyengar Yoga chamada Dorothy Marlow, que me ajudou a começar a sair do buraco. Ela buscou no único lugar onde ela sabia que sempre tinha achado ajuda e consolo – a sua prática de Yoga.

Iyengar Yoga para esclerose múltipla - Garth McLean

A ela foi dado o nome de Garth McLean, um professor de Iyengar de Los Angeles que tem Esclerose Múltipla. Ela enviou um email a ele e recebeu uma resposta muito amável. Garth pode não saber o quão importante esta resposta foi, mas ela mudou as nossas vidas. Ela (Dorothy Marlow) foi para um de seus workshops no Reino Unido e ficou deslumbrada com seus ensinamentos, sua história e compaixão. Uma bóia salva vidas nos foi lançada enquanto estávamos a deriva no mar.

Ela me incentivou a começar a minha própria prática de Yoga, sabendo que eu tinha força de vontade, uma vez que eu me envolvesse com algo. Eu relutei ela e a Yoga, sentindo-se muito irritada que isso tinha acontecido comigo. Que raios esticar os isquiotibiais poderia fazer por uma doença degenerativa do cérebro? Enquanto a minha raiva era uma reação normal para o meu diagnóstico e sensação de impotência, foi também um conveniente bloqueio a pesquisar mais profundamente e encontrar um pouco de paz com o que tinha acontecido comigo.

Relato Yvette - Yoga Para Esclerose Múltipla

“O conceito de auto-compaixão começou a nascer em mim quando eu percebi que a yoga poderia ser uma base para a minha vida, não mais um teste de excelência”

Meu primeiro workshop com Garth McLean

Fui pela primeira vez a um workshop com Garth em 2011 morrendo de medo de fracassar. E se meus braços não pudessem me sustentar, se estivessem tremendo demais para um cachorro olhando para baixo? E se minhas pernas não fossem fortes ou eu perdesse o equilíbrio em Trikonasana? E se eu superaquecesse de imediato e tivesse que me sentar à sombra? Como Garth explica, o aumento de apenas um grau na temperatura pode agravar os sintomas da Esclerose Múltipla. E se eu simplesmente não conseguisse?

Garth tem um estilo de ensino simples, mas profundo. Deve vir de conhecer os desafios da Esclerose Múltipla de dentro para fora e dos anos de trabalho para entender como adaptar os asanas para as pessoas com sintomas e desafios muito diferentes. Há muitas adaptações que eu aprendi com Garth para mencionar aqui, mas algumas mensagens principais são:

  • Encaixe os ossos em seus soquetes para fazer uma conexão e ajudar o Sistema nervoso a restabelecer seu circuito

  • Após a recuperação necessária, faça os nervos e fibras musculares “acordarem”. Eles precisam lembrar seu trabalho no corpo. “Mas não saltarem nos nervos”.

  • Invertidas são extremamente importantes para a saúde do cérebro e para equilibrar o sistema imunológico, desde que não haja contra-indicações

  • Aprenda como esfriar a temperatura do corpo, cérebro e sistema nervoso

  • Cultive a extensão vertical e a expansão horizontal no corpo

  • Proceda com coragem e cautela. Este foi um conselho que Garth recebeu do próprio Iyengar.

A principal mensagem que recebi de ambos Garth e minha tia era que eu poderia fazer. Eu poderia tentar. Eu não era impotente para me ajudar. Garth falou este ano sobre as “vitaminas” da Yoga, uma delas sendo a fé. Eu entendi isso como ter a fé para praticar e melhorar sua condição e sua vida.

O que eu aprendi

A empatia que recebi de minha tia e de Garth era tão importante quanto o know-how dos asanas. Não foi exagero – eu não conheço muitas pessoas com Esclerose Múltipla, que gosta de ser infeliz – mas era profundo o sentimento. Eu fiquei tão surpresa com isso como pela explicação de Garth sobre sua Esclerose Múltipla estar em remissão, como resultado de sua prática diária de Yoga. O conceito de auto-compaixão começou a nascer em mim quando percebi que a Yoga pode ser uma base para a minha vida, e não mais um teste de excelência. Na verdade, quanto menos eu me destaco e quanto mais eu descobro que eu não posso fazer poses com facilidade, é melhor para mim.

Relato Yvette - Iyengar Yoga para esclerose múltipla

O grande encanto do ensino de Garth é que ele parece ver praticamente num relance do que as pessoas são capazes. Mesmo que nós possamos nos sentar cheios de listas do que não conseguimos ou podemos fazer, ele nos encoraja a ser corajoso enquanto nos ensina a como cuidar de nós mesmos. Sua abordagem é uma mistura perfeita de quando se esforçar mais e quando juntar forças. Essa é a marca de um excelente professor e comunicador. No ano passado eu consegui subir em parada de mão pela primeira vez com a ajuda de Garth.

Eu saio de seus workshops me sentindo empoderada e capaz. E ser capaz e mais confiante em um corpo que tem problemas graves de saúde é uma bênção indescritível. Isto é especialmente verdade uma vez que a esclerose múltipla é incurável, atualmente, e as opções apresentadas aos pacientes pelos médicos são drogas que vêm com efeitos colaterais sérios. O ensinamento de como ajudar a si mesmo, quando você pode sentir-se impotente e desanimado, é talvez a melhor lição que eu tenha aprendido nas aulas de Garth. Ele dá esperança.

Em um nível social, os workshops incutem o sentimento de estar cercado por compaixão e empatia de Garth e outros professores que optam por participar e ajudar. Há também um grande senso de camaradagem de estar com outras pessoas com esclerose múltipla e muitas risadas ao longo do caminho.

Aceitação e transformação

Eu posso honestamente dizer que eu tenho Esclerose Múltipla para agradecer por muitas coisas. Se desejar fosse de alguma utilidade, eu desejaria não ter esta doença, afinal eu não sou masoquista. Mas, eu aceitei o fluxo e refluxo nisso como uma parte de mim. Embora aceitação seja posta em xeque de tempos em tempo repetidamente, Esclerose Múltipla não é algo para lutar contra ou vencer. É apenas uma parte de mim que, se eu fizer o esforço, eu posso controlar razoavelmente bem. Nos dias em que eu não me sinto forte e estou com medo do futuro, eu posso fazer uma prática de Yoga, e, por esse tempo, concentrar minha mente no que eu estou fazendo.

Meu diagnóstico de Esclerose Múltipla também me deu o ímpeto de desistir da advocacia. Como eu poderia trabalhar de forma inteligente na minha prática de Yoga só para voltar ao mundo da correria louca e obsessão com metas e lucros? Iyengar yoga fez o conflito explícito e já não aceitável para mim. Eu acho que sou uma pessoa diferente da advogada atormentada, de língua afiada de anos atrás.

B.K.S. Iyengar morreu pouco depois de eu ter escrito este artigo. Sou profundamente grata a ele por trazer Iyengar Yoga a minha vida, em primeiro lugar através da minha tia, que é uma professora de Yoga, e depois através do Garth McLean que espalha fielmente as alegrias da Yoga para pessoas com esclerose múltipla e outras condições neurológicas. Devo terminar agradecendo o Instituto de Iyengar Yoga em Maida Vale e Sarva em High Wycombe e seus professores, mas especialmente ao Sr. Iyengar, sem o qual nada disto teria sido possível.

Texto originalmente publicado pelo instituto de Iyengar Yoga do Reino Unido, traduzido por Júlia Caldeira. Texto original aqui