Entrevista com Analu Matsubara ao Jornal da Vila!

Em entrevista ao Jornal da Vila, Analu Matsuabara respondeu a várias perguntas sobre o método Iyengar, sobre sua trajetória enquanto praticante e professora do método, bem como sobre o cenário do Iyengar Yoga no mundo e principalmente na área médica. Confira!

Educada no exterior para ser administradora dos negócios da família, Analu Matsubara se apaixonou pelo Iyengar Yoga em 1999. Certificou-se internacionalmente pelo Ramamani Iyengar Yoga Institute, em Puna, na Índia, e fundou, em 2005, o Studyo Iyengar Yoga São Paulo. Desde estão, tornou-se uma das maiores autoridades do método no país, aprofundando-se nos estudos, dando aulas, formando professores e trazendo os mais notáveis mestres para o Brasil, com a missão de difundir a ciência do mestre B. K. S. Iyengar, falecido há 3 anos e grande difusor da prática no Ocidente

Pedaço da Vila: O que é o Iyengar Yoga?

Analu Matsubara: O Iyengar Yoga é uma das várias modalidades do yoga, fundamentada nos ensinamentos do mestre B.K.S Iyengar.  Seu método sempre buscou alcançar qualquer pessoa, mesmo aquela com dificuldades de fazer exercícios físicos. Os asanas (respiração e postura) são ensinados com um grande rigor técnico e foco no alinhamento. O aluno iniciante ganha rapidamente vitalidade levando fluxo de prana (bioenergia, oxigênio) às suas células, despertando a consciência corporal e melhorando a sua saúde de forma integral.

Pedaço da Vila: Quando o Iyengar Yoga chegou ao Brasil?

Analu Matsubara: A única entidade brasileira reconhecida pelo Ramamani Iyengar Institute, em Puna, na Índia, é a Associação Brasileira de Iyengar Yoga – ABIY. Fundada em 2006, é composta por praticantes e professores que seguem os ensinamentos do mestre B.K.S. Iyengar. Antes, os professores Kalidas Nuyken e Noemia Wainer já se aprofundavam nos estudos, ensinando o método no Brasil.

Pedaço da Vila: O Iyengar Yoga tem um mestre contemporâneo. Isso ajudou a difusão da metodologia no Ocidente?

Analu Matsubara: Até os anos de 1960, a ioga era uma atividade tão esotérica aos olhos do Ocidente quanto o sufismo ou a cabala. B. K. S. Iyengar, falecido há 3 anos, e é um dos poucos iogues cujo título de mestre não soa distante da nossa cultura.  Ele, que morreu aos 95 anos, formou discípulos, angariando a cada ano que passa mais e mais praticantes. A vida longa dedicada exclusivamente à prática e estudos fez com que seu método “vivo” seja hoje praticado por milhares de adeptos. Segundo a revista Times Magazine: “o senhor Iyengar certamente é quem mais fez para que o yoga alcançasse o Ocidente”.

Pedaço da Vila: O que diferencia essa modalidade das outras?

Analu Matsubara: O Iyengar Yoga incentiva o uso de materiais externos durante a prática dos asanas, possibilitando que determinados obstáculos possam ser vencidos com o uso desses props (materiais de apoio). Com isso, o método aumenta a confiança do aluno, bem como a compreensão do alinhamento do seu corpo, ampliando a possibilidade de movimento. Essa permanência no asana, faz com que as posturas mais complexas possam ser desfrutadas com segurança. O foco no alinhamento físico somado ao rigor técnico e ao uso de props, fazem do Iyengar Yoga uma modalidade segura e terapêutica que pode ser praticada por pessoas que sofrem de problemas físicos. Todo o perfeccionismo desse método contribui para o desenvolvimento de um corpo saudável e firme, com mente estável e espírito colaborativo.

[ig_button_sh inverted=”true” target=”_blank” buttonsize=”button-large” buttonlabel=”Leia o restante da entrevista” buttonlink=”http://www.pedacodavila.com.br/materia/?matID=2270″ buttoncolor=”” class=””]