Alinhamento e Consciência

Alinhamento e ConsciênciaA mensagem de BKS Iyengar sempre foi dupla: alinhar a postura e deixar a consciência vir. Para alguns, como eu, no entanto, o aprendizado do alinhamento tem sido umatarefa tão grande, que encontrar o despertar da consciência se torna algo ainda mais evasivo do que o giro do fêmur. Em algum ponto, eu desisti até de tentar.

Para a conferência de yoga de San Diego, nomeada ‘universalidade do yoga’, o professor sênior de Iyengar yoga BirjooMehta nos trouxe uma mensagem de como fazer, um mapa que qualquer indivíduo pode seguir para encontrar a consciência em uma postura.

A boa notícia: nós deveríamos nos preocupar menos em fazer correções nas posturas. A má notícia: nós temos que usar nossas mentes ainda mais do que usamos nossos corpos. Como outro professor sênior de Iyengar yoga, Manouso Manos, sempre diz: “encontrar resolução no corpo físico é consideravelmente menos ameaçador.”

Birjoo define o processo de uma forma pragmática, comparando-o a uma iniciativa corporativa.

Qual é a visão do yoga? Perceber nossa forma permanente.

Qual é a missão dos praticantes de yoga? Acalmar as flutuações dopensamento–a fim de perceber o nosso ser verdadeiro, imutável.

Qual é a estratégia para a realização de nossa missão? Asana.

Que táticas vamos usar na nossa estratégia? Alinhamento.

BirjooMehta

Birjoo saltou logo ao palco na primeira noite da conferência, Sarvabhauma Yog, que ocorreu de 10 a 15 de maio de 2013, incluindo a convenção de professores.

Um aluno de BKS Iyengar desde a infância, ele começou em 1974, quando ainda era jovem, a viajar com seu professor por toda a Europa, Estados Unidos e Austrália, demonstrando posturas. Acabou se tornando um engenheiro profissionalmente, mas ele tem liderado convenções no Reino Unido desde 2001. Quando BKS Iyengar viajou para a China em junho de 2011, BirjooMehta ensinou nas sessões noturnas, embora muitas vezes sob a orientação de seu professor.

Tal como o seu professor, ele traz alegria para o seu ensino. Em San Diego, ele nos fez rir com ameaças implícitas de longas permanências emKapotasana. Suas mãos se moviam como pássaros enquanto ele falava. Ele sorriu, ele persuadiu, ele buscou analogias para nos ajudar a entender que ele queria que nos concentrássemos na consciência, e não nogiro de uma coxa.

Com precisão, ele demonstrou as ações sutis que procurava, vestindo um `bandedshorts`,os populares shorts usados por professores e alunos de Iyengar yoga e uma camisa polo com gola, também comum entre os professores do sexo masculino.

Tadasana – Samasthiti

Essa postura é como o eu imutável no centro de todas as nossas flutuações. Ele é a pedra de toque, o lugar de calma no centro de uma prática. As outras posturas, todas, se tornam variações. A chave para vislumbrar isto é o nome samasthiti: sama – mesmo; sthiti – estabilidade.

Para encontrar a calma dentro das flutuações das outras posturas, Birjoo nos guiou para trazermos um elemento de Tadasanaem cada postura.

Em Utthita Trikonasana, Birjoo sugeriu que mantivéssemos as ações de tadasana da perna de trás em ambas as pernas, enquanto lentamente entrávamos na postura. Uma espécie surpreendente de estabilidade resultou disto; uma mente tranquila, sem flutuações se traduziu numa postura aterrada.

Em Bharadvajasana, uma vez que giramos o tronco, Birjoo nos pediu para recriar a uniformidade do tronco encontrada em Tadasana. Mais uma vez o silêncio descendeu.

Nós nos voltamos para a universalidade quando trazemos Samasthiti nas outras posturas.

Consciência equilibrada

Em qualquer outra atividade física, o movimento em si é o ponto. Em yoga, o Asana começa quando a atividade e o movimento de criação param. Nós prestamos atenção aos detalhes da postura quando a criamos e, em seguida, uma vez na postura, nós permitimos que a atenção se mova para onde há consciência. Então nós procuramos equilibrar a consciência durante a postura.

Em todas as posturas assimétricas de pé, a consciência se concentra em uma perna ou em outra. Birjoo delineou esse processo em Utthita Trikonasana, onde a perna de trás fica leve, com a consciência concentrada na perna da frente. Ele sugeriu mover os ossos onde a consciência e a densidade permaneceram, e a mover desde a carne para trazer consciência aos lugares leves da postura, como na perna de trás.

Outra técnica de equilíbrio da consciência funciona através da consciência dos opostos. Ele sugeriu que, onde a carne estava inchada ou estendida, o excesso de consciência existia ali. No lado oposto, havia uma interrupção de consciência. Para equilibrar a consciência, nós tivemos que reabrir aquela interrupção. Por exemplo, um cotovelo bloqueado produz excesso de consciência ao longo da parte interior do cotovelo, e devemos liberar o lado posterior do cotovelo para criar uniformidade.

Tudo parecia acessível, enquanto ele explicava esses conceitos, que outros professores ecoaram em muitas outras aulas. O truque vai ser levá-lo para casa com a gente, para aplicar aquela clareza de propósito em nossa prática.

Tradução livre de Giuliana Sena

Fonte: http://pratipaksha.com/wordpress1/2013/05/17/alignment-and-consciousness/